Tratamento revolucionário está revertendo câncer em pacientes em estado terminal

18/02/2016 14:58:01

Uma nova terapia revolucionária reprograma os glóbulos brancos do sangue para atacar células cancerígenas. Ela está se mostrando promissora após mais de 90% de pacientes com leucemia em estado terminal ficarem totalmente livres dos sintomas da doença após o tratamento.

cancer

Para a nova terapia, glóbulos brancos são extraídos dos pacientes terminais, e então reprogramados geneticamente para reconhecer e ter como alvo as células cancerígenas. Assim que reintroduzidas à corrente sanguínea do paciente, as células imunes dificultam que o câncer continue se espalhando.

O oncologista Stanley Riddell, do Centro de Pesquisas de Câncer Fred Hutchinson nos EUA, compartilhou as descobertas da sua equipe durante um encontro científico realizado nesta semana.

Em um dos testes, 94% dos pacientes com leucemia linfoblástica terminal entraram em remissão. Pacientes com cânceres sanguíneos parecidos tiveram taxas de resposta superiores a 80%, com mais da metade deles entrando em remissão.

cancer-2

Imagem antes e depois mostra a regressão do linfoma após a terapia. Crédito: Fred Hutch News Service

Os detalhes ainda serão publicados em uma revista científica após revisão por pares, então precisamos manter um pouco de cautela por aqui. Os próprios pesquisadores dizem que os resultados ainda são preliminares e há muito trabalho a ser feito.

Não se sabe, por exemplo, por quanto tempo os pacientes permanecem em remissão; os cientistas não estão chamando de cura, mesmo que os sintomas tenham desaparecido em muitos casos. Além disso, dois pacientes morreram por causa da terapia após ela ativar uma resposta imunológica extrema.

Todos os participantes envolvidos no estudo eram pacientes com câncer em fase terminal que tinham entre dois e cinco meses restantes de vida, e nenhum deles estava respondendo aos tratamentos convencionais. Mas Riddell descreveu os dados preliminares como “sem precedentes”, dizendo que é uma “mudança de paradigma em potencial” para o tratamento do câncer.

Para a terapia, células T (também conhecidas como linfócitos T) são retiradas do sangue de pacientes com câncer e então geneticamente alteradas para conter moléculas “receptoras” que miram a doença. A técnica só funciona em alguns tipos de câncer, como a leucemia linfoblástica, leucemia linfoide crônica, e linfomas não-Hodgkin.

Células T são um tipo de glóbulo branco que detecta células externas ou anormais, incluindo tumores, e inicia uma resposta imunológica que tem como alvo as células invasoras. Em alguns casos, no entanto, esses ataques não são fortes o suficiente para destruir as células cancerígenas, e assim as células imunológicas ficam exaustas. Isso, ou os tumores em si, aplica medidas de segurança que restringem as respostas imunológicas.

Na nova terapia, um subconjunto de células T é armado com receptores de antígenos quiméricos, e, usando transferência genética, elas ficam mais fortes para atacar as células cancerígenas. As células imunológicas melhoradas produzem “uma resposta potente e duradoura” ao câncer.

“A fusão de terapia genética, biologia sintética e biologia celular está proporcionando novas opções de tratamento para pacientes com malignidades refratárias, e representa uma nova classe terapêutica com potencial para transformar o tratamento do câncer,” notou Riddell em um comunicado. “No laboratório e nos testes clínicos, estamos vendo respostas em pacientes com tumores que são resistentes à quimioterapia convencional.”

No futuro, os pesquisadores querem localizar moléculas-alvo que são tipicamente expressadas pelo câncer humano, e então criar receptores ainda mais potentes para combater a doença.

[BBC, Herald Scotland]

Imagem: Wellcome Images

Fonte: Gizmodo

Tags: #Ciência #Saúde #Medicina #Câncer #Biologia